sábado, 7 de novembro de 2009

Descobri que sou um exemplo de vida;

Vou contar a minha história de vida,muito dura por sinal,porque são 23:25 de uma sexta-feira e eu estou em casa.
Á começar da infância,quando eu tinha seis anos de idade morava no interior do interior do meu estado (Acre),a economia da minha pequena e humilde cidade é comandada pela agricultura,sendo assim meus 10 irmãos trabalhavam na colheita da cana-de-açúcar com meu painho.Sim,meus pais são baianos e foram para o Acre em busca de melhores condições de vida.Eu não podia trabalhar na cana por ser alcoólatra em tratamento.mentira.Por eu ser muito pequena,então eu ficava em casa ajudando a minha mainha em tarefas domésticas como enganar as galinhas que estavam sendo alimentadas.Funcionava assim: eu triturava qualquer coisa e jogava,elas corriam felizes á se alimentar,eu sempre sentia um ar de decepção em algumas mas não tínhamos dinheiro para o milho.Eu também adorava correr atrás delas para que minha mãe a matasse e garantisse o nosso almoço.
Quando fui crescendo tive que ir pra colheita da cana também,e foi aí que me tornei alcoólatra.Mentira de novo.Enfim,fui trabalhar na cana junto de meus 10 queridos irmãos,eram todos adolescente e não sabiam ler,escrever e nem contar,tão pouco eu.Ficavamos no sol fervendo
das quatro da manhã até ás seis da tarde.(não preciso de bronzeamento artificial até hoje.)
Certo dia voltando do trampo,de metrô,opa...de carroça,cheguei em casa e me deparei com uma puta surpresa: UMA TV EM CASA.
Ok,meu pai tinha encontrado no lixão e não servia pra nada,só pra guardar objetos dentro.Mas mesmo assim me senti feliz em ter uma Tv em casa e gostava de fantasiar que eu tava assistindo Domingo da gente.Mais tarde tivemos uma Tv que funcionava de verdade e era colorida,igual o CINE .Tv radical.E ela ficava no quarto,uma TV no quarto,UAU.Tá que ficava no quarto porque era o único cômodo que tinha em casa.
Falando nesse assunto de quarto tenho que falar como era a arrumação de dormir na minha casa com tanta gente;Meu irmão mais velho dormia na rede,ele se babava inteiro e sempre tinha uma perna para fora,passava mais uma rede por cima dele e lá estavam dois irmãos magrelas,lutando bravamente por espaço,mais umas 5 redes passadas uma por cima das outras e á cada rede duas ou mais crianças.Painho e Mainha não dormiam,passavam a noite inteira conversando,era um casal louco por diálogo,conversavam que tanto que chegavam a ficar ofegantes.Mainha
chorava...chorava que gemia,gemia muito,coitada!(ou safada!)
Quando me tornei adolescente e descobrir que mainha não gemia de tanto chorar e sim de tanto dar me orgulhei do meu painho,era uma cara guerreiro que passava o dia inteiro enfrentando um trabalho duro e depois ainda tinha que continuar toda a madrugada duro,safado!(ou coitado!)
Foi daí que surgiram mais 5 irmãos,alguns já crescidos foram tentar a vida em São Paulo,a que mais teve sorte foi Clotilde Andrelina tornou-se prostituta e seu nome de guerra é Bruna surfistinha.
E eu vim pra São Luis,uma ilha no Maranhão,curtir o São João... catando latinhas!
e a minha saga continua.

3 comentários:

Veja bem, olha só.. disse...

HAHAH
Bem escrito e bem humorado.
Pbns

nota à autora.:
as drogas são legais pra dar inspiração na hora de escrever, mas não use sempre, ok?
Abrç

Vandi disse...

kkkkkkkkkk'
gostei da inversão de coitado ou safado, adorei o texto. muito bom

beeijo

alicebandeira @ disse...

Essa é realmente sua historia ?
:oo
Muito legal o texto !